Coragem e solidariedade aos que lutam!

Nota em apoio a luta dos GVC e solidariedade ao GVC Emílio

A história de luta dos guarda vidas civis da grande Florianópolis é de longa data. A cada novo ano e temporada aparecem mais trabalhadores indignados com a falta de respeito e maior precariedade que enfrentam no cotidiano das praias. A fragilidade do vínculo de emprego, a expansão de postos sem aumento correspondente de trabalhadores, o risco de se trabalhar em poucas pessoas e sem instrumentos suficientes, a falta de EPI, a não garantia do seguro em caso de adoecimento e diversos outros problemas que enfrentam os guarda vidas nos chamam atenção para o quanto que o emprego precário é resultado das transformações no mundo, da crise que vivemos e consequência de um sistema que se preocupa menos com as vidas e mais com o lucro.
É nessa fundamental tomada de consciência em relação às condições de trabalho e a constatação de que apenas a luta coletiva, a auto-organização e o trabalho político cotidiano podem contribuir para a mudança na realidade desses trabalhadores, que os guarda vidas de Florianópolis tomaram as ruas do centro da capital no dia 30 de novembro de 2020, dando visibilidade às precariedades do trabalho e reivindicando melhores condições serviço. Um dos guarda vidas civil presente nessa primeira manifestação de rua da categoria foi Emílio, GVC que foi excluído de suas funções alguns dias depois. Uma prática recorrente do comando da operação veraneio sempre que existe alguma mobilização da categoria de guarda vidas.
Ao ser acusado de divulgar um vídeo com o suposto objetivo de prejudicar os guarda vidas civis e “denegrir” (palavra de cunho racista utilizada pela própria instituição) a instituição do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, o colega de serviço foi afastado de suas funções mesmo apresentando defesa e constatação da improcedência das acusações.

O guarda vidas Emílio já trabalhava há 5 anos na praia dos Açores, tendo boa parte desse tempo contribuído com o Projeto Golfinho e construído um vínculo com os colegas e a própria comunidade, também sendo reconhecido por suas funções e importância de seu trabalho.
A perseguição e criminalização dos que lutam em defesa de seus direitos é uma prática com o objetivo de transmitir aos trabalhadores apenas o recado de que a mobilização, organização e força popular oferece perigo à hierarquia social e, portanto, deve ser desencorajada. Entendemos a luta como parte fundamental para construirmos uma nova sociedade desde já, onde a forma como nos organizamos e produzimos nossa vida seja cuidadosa principalmente com as pessoas e o meio em que vivemos.
Toda solidariedade ao companheiro Emílio e todos os guarda vidas excluídos de suas funções por terem lutado por seus direitos! Coragem e solidariedade aos que lutam! O povo tem a força, só precisa se unir!

Assine o abaixo-assinado para a reinserção do GVC Emílio no serviço de guarda vidas: http://chng.it/vBBhpzWq

Nota pela Reinserção do GVC Emílio no serviço de guarda vidas da Associação dos Salva-Vidas da Ilha de Santa Catarina: https://www.instagram.com/p/CJ1t3TLghQx/?igshid=1x9lplvdwtoon

Mais informações sobre a luta e mobilização dos Guarda vidas em @alicerce.sc @guarvidasprevenido @asvisc

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.” (Rosa Luxemburgo)

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.” (Rosa Luxemburgo)