Março de Luta das Mulheres! por Coletivo Alicerce

Compilado de produções no Março de Luta das Mulheres!

LIVES

Pandemia e a Batalha das Mulheres: violência, emprego, saúde e educação

Debatemos com a Fernanda Miranda, companheira do PSOL e vereadora na cidade de Pelotas, sobre os impactos da pandemia e como as batalhas por renda básica e por vacina também são lutas em defesa da vida das mulheres!

CONFIRA: https://www.facebook.com/watch/live/?v=5838665409492801&ref=watch_permalink

Trabalho Terceirizado e Vida das Mulheres

Conversa com representantes da comissão de trabalhadoras da SMED/Multiclean sobre a luta por direitos!

CONFIRA : https://www.facebook.com/watch/live/?v=268844461479776&ref=watch_permalink

PODCAST

Episódio com a participação da Karen Santos, Marina Meneghel e Tzusy Estivalet, falando sobre a crise e os impactos na vida das mulheres, a luta das trabalhadoras terceirizadas das escolas, as batalhas na pandemia, e alternativas de luta, organização e autoorganizacão, para as mulheres trabalhadoras

CONFIRA: https://open.spotify.com/episode/6yfJ6fGQSwiveKKmt223tZ...

Link alternativo: https://anchor.fm/.../Mulheres--crise--emprego-e-pandemia...

TEXTOS

Alicerce Santa Maria

Mulheres que Batalham

Por emprego, vacina pelo SUS, auxílio emergencial.

Março é um mês importante para as mulheres no mundo todo. O dia 08 é marcado como dia internacional de luta das mulheres. Mas ao contrário do que tentam nos vender, não são flores e presentes que buscamos, mas sim a garantia de vida digna para todas nós e o fim da violência que arranca a vida de tantas mulheres. Nossa luta vem de séculos e segue urgente e necessária nos dias atuais.

Vivemos um aprofundamento da crise econômica e social nos últimos anos, isso acelerou a retirada de direitos e o aumento da exploração das nossas vidas. As mulheres estiveram protagonizando diversas mobilizações e se levantando com coragem contra estes ataques.

Desde as manifestações pelo Fora Cunha em 2015, das ocupações estudantis em 2016, e em 2017 contra a PEC do teto de gastos. A greve internacional de mulheres e a greve geral contra a reforma da previdência em 2017. Os atos do #EleNão e as campanhas de ViraVoto em 2018. As lutas pela educação pública em 2019. Até as manifestações de 2020 de trabalhadoras terceirizadas, da saúde e da educação que estiveram e estão na linha de frente da guerra contra o covid-19. A mulherada aponta o caminho da luta política na rua e da mobilização constante para conquistar tudo que é nosso por direito!

Essa é uma breve recordação dos processos de luta que criamos nesses últimos anos no país. Para relembrar que, apesar desse 08 de março não haver manifestações grandiosas nas ruas das cidades, seguiremos mobilizadas e mobilizando mais pessoas para que a luta das mulheres por direitos e vida digna se amplie e se fortaleça até que façamos cair toda estrutura capitalista, patriarcal e racista dessa sociedade, construindo assim outra sociabilidade que respeite nossas vidas, nossos corpos e nossos direitos.

Nossa união tem muita força pra transformar os rumos do país!

Primeira Foto: Dartanhan Baldez

Tamo juntas, companheiras

Alicerce Santa Catarina

8 de março, mais um Dia Internacional de Luta das Mulheres.

Apesar de mais do que nunca ser tempo de lutar, há muito tempo as mulheres se organizam e desafiam esse projeto de sociedade que nos explora, violenta e mata!

A realidade da crise econômica e sanitária representa mais sufoco para as mulheres que batalham. Por isso, o período exige nossa mobilização e resistência contra os ataques à nossa classe, porque entendemos que dentro dela, somos nós que ocupamos o espaço da superexploração! E além disso, derrubar esse governo assassino e genocida, para nós, também precisa ser prioridade!

Precisamos garantir emprego e renda para termos direitos e uma vida digna.

O desemprego está aí! A taxa de desocupação das mulheres subiu de 13,9% para 16,8%, em 2020. E entre as mulheres negras chega a ser de 19,8% neste ano. (DIEESE)

Somos mulheres que batalham e coletivamente estamos aqui para denunciar e lutar contra a violência, a opressão e construir melhores condições de vida para as mulheres e para toda a classe trabalhadora. Queremos uma sociedade em que possamos existir e viver!

É pela vida das mulheres! Por emprego, renda digna e auxílio emergencial já! Vacina para toda população! Investimento em saúde e educação! Chega de sufoco! Fora Bolsonaro e Mourão!

Alicerce Curitiba

MARÇO DE LUTA PELA VIDA DAS MULHERES: RENDA BÁSICA E VACINA JÁ!

Março é sempre um mês importante de defesa dos nossos direitos, mas esse ano, mais do que nunca, o nosso grito precisa ecoar, mais do que nunca precisamos colocar a nossa pauta na ordem do dia: PELA VIDA DAS MULHERES QUE BATALHAM. A pandemia do coronavírus já tirou milhares de vidas desde o ano passado em nosso país, e é a nossa classe — mulheres, negras, periféricas, lgbts — que pagam a conta, somos nós que sentimos de forma gritante os efeitos da política da morte no nosso dia a dia. Problemas como a saúde colapsada, desemprego, alta dos preços, etc, assolam a população como um todo, mas os impactos para a população vulnerável é muito maior, pois são as mulheres que compõe a linha de frente nos hospitais, são as mulheres que cuidam dos familiares doentes contaminados, são as mulheres que sustentam suas famílias e cuidam dos filhos na educação a distância.

Por isso, não queremos rosas no nosso dia. Queremos uma política real de combate ao coronavírus, que garanta o isolamento social aliado à renda básica universal a fim de efetivamente garantir o direito à quarentena. Não toleramos a utilização de medidas restritivas como forma paliativa de contenção do vírus. Exigimos uma política de combate à pandemia em defesa da vida!

Queremos o lockdown aliado à garantia de direitos.

Queremos a vacina já!

Fora Bolsonaro!

Por Valéria Fiori e Coletivo Alicerce

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.” (Rosa Luxemburgo)

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.” (Rosa Luxemburgo)